FEARS Redcliff – entre Bristol e Basel

Você, consumidor, estaria disposto a pagar £650 ou seu equivalente, US$840, por um relógio com movimento a quartzo, quando existem bons relógios com movimentos mecânicos, geralmente automáticos, nesse nível de preço?

No geral, relógios com movimento mecânico são mais caros do que aqueles com movimento a quartzo.

A explicação é muito simples. Um bom movimento mecânico suíço com indicações de horas, minutos, segundos e dia do mês, custa ao redor de US$ 200. Porém, dependendo da quantidade demandada e da regularidade das encomendas ou compras, o preço/unidade do movimento pode cair bastante. Por outro lado, um movimento a quartzo suíço tem um custo bem inferior ao do mecânico, algo como 10% do preço do movimento mecânico. Caso o movimento a quartzo seja proveniente da Ásia, o custo unitário é ainda menor, mas a qualidade e confiabilidade é também menor.

Contudo, o consumidor antes de adquirir um relógio, a primeira coisa que lhe chama atenção é o visual do modelo, sobretudo o mostrador. Em seguida, ele se aprofunda nos detalhes, no acabamento, no tamanho e formato da caixa, na marca, se é ou não conhecida e depois no preço. Se de fato o relógio no geral lhe agrada, o consumidor irá conversar com o vendedor e examinar o relógio nas mãos ou no pulso e também irá procurar saber sobre o prazo de garantia, se há ou não assistência técnica oficial da marca e eventualmente o custo de uma revisão (limpeza interna, polimento da caixa, troca de peças que protegem o relógio da pressão d’água etc).  

O modelo Redcliff da marca inglesa Fears, é um relógio simples, com as usuais indicações de horas, minutos, segundos, dia do mês, porém com um design atraente.

A atual Fears pertence a Nicholas Bowman-Scargill, descendente do fundador da marca, Edwin Fears e na 6ª geração na árvore genealógica da família.

A marca foi fundada em 1846 na cidade de Bristol, Inglaterra e permaneceu bastante ativa durante 100 anos produzindo e vendendo relógios para o público inglês e também para vários países, sobretudo aqueles com forte influência do Império Britânico.

Durante a década de 50, na 4ª geração da família, a empresa perdeu o ritmo dos negócios e pouco antes de 1960, os relógios da marca deixaram de ser produzidos e comercializados.

Contudo, em 2016, Nicholas Bowman-Scargill restabeleceu as atividades da marca, utilizando-se de recursos próprios.

Com administração e sede na 17 Filigree Court, SE16 SHL, Londres, os relógios são fabricados na Suíça, em uma cidade do cantão de Basel (Basiléia).

O fato de uma marca pequena e independente, como a Fears, ter endereço físico e registrada oficialmente como companhia no Reino Unido (Company Number 09262430), é um bom sinal e, de certa maneira, uma garantia de procedência.

O relógio utiliza o movimento a quartzo da Ronda AG – calibre Ronda 515. Os movimentos a quartzo da Ronda estão entre os melhores da indústria relojoeira. A bateria usada neste calibre é da marca Renata, produzida pelo Swatch Group, de boa qualidade, mercury-free e com vida útil de aproximadamente de 24 meses.

O relógio tem alguns atrativos, além de usar um movimento a quartzo de boa qualidade. 

O mostrador, com três opções de tonalidade, branco (Jetliner-white), azul-marinho (Fears-blue) e cinza (Pebble-grey), recebeu um tratamento laqueado, de alta durabilidade, combinando bem com o estilo sóbrio da caixa.

A tonalidade Pebble-grey deriva da cor da grande variedade de pedras encontradas nas prais da Inglaterra.

Na imagem a seguir temos o modelo com mostrador na tonalidade Fears-blue. Ficaria melhor uma pulseira de couro de na cor marrom-claro ou de couro marrom envelhecido, com costura.

O mostrador do relógio na tonalidade branca (Jetliner-white) ou cinza-ardósia (Peeble-grey), em nossa opinião, é o que permite maior combinação de cores de pulseira e destacam melhor as funções do relógio.

O relógio é acompanhado de pulseira de couro de uma variedade de cabra da Índia e produzida por uma empresa familiar na Bélgica. São seis tonalidades disponíveis.

O couro de cabra tem maior durabilidade do que o couro comum. A pulseira da Fears tem um pequeno dispositivo interno que facilita a retirada do pino na eventualidade de uma troca de pulseira.

Outro aspecto positivo é o prazo de garantia de cinco anos a partir da data de compra. Em geral, esse prazo é de no máximo três anos.  

Como a bateria necessita ser trocada a cada 24 meses, aproximadamente, o fabricante recomenda que o relógio seja encaminhado à Fears, na Inglaterra, não só para troca da bateria como para substituição da material de borracha de impermeabilidade à água ao custo de £25.

O fabricante também recomenda o serviço de revisão entre cinco e dez anos de uso do relógio a um custo de £150 ou quase US$200 à cotação atual, caso o relógio esteja em boas condições.

A revisão do relógio é completa, isto é, inclui polimento da caixa, substituição da bateria, troca ou substituição de algumas peças que se desgastam com o tempo e, muito importante, a substituição de uma peça essencial do circuito eletrônico do calibre Ronda 515. Os movimentos a quartzo possuem uma vida útil ainda imprecisa. Podem durar 20 anos ou mais, desde que de boa qualidade, dependendo das condições de uso e do ambiente a que foram expostos. 

Porém, para quem reside fora da Inglaterra, as despesas acima, a longo prazo tornam elevado o custo total do relógio, incluindo o preço de aquisição e despesas de postagem/correio. Imagino que a troca de bateria e o serviço de revisão possam ser feitos no país onde o consumidor reside e provavelmente por um custo menor. Mas esta é uma decisão do proprietário do relógio.

 

 

Check Also

Montblanc – chega ao Brasil o modelo TimeWalker Chronograph Automatic com caixa de ouro

Modelo integra a nova TimeWalker Collection, que presta homenagem à extraordinária herança da Minerva no …

Um comentário

  1. Jarlan Barroso Botelho

    Caro editor,

    Interessante a matéria. Confesso que não conhecia a marca FEARS, que possui uma longa história. Nada obstante a história da marca e a garantia do relógio, bem como a revisão de U$200, não vejo nenhuma vantagem na aquisição de um relógio a quartzo pelo preço que eles pedem. Existem relógios tão bonitos e bons, com esse tipo de movimento, por uma fração do preço, muitos deles com o mesmo movimento Ronda. A Tissot, Victorinox, Hamilton, Citizen, Bulova e Certina, produzem relógios a quartzo com valores bem inferiores aos U$840. Por este valor, como dito na matéria, se compra um excelente relógio mecânico das marcas já citadas, e que certamente funcionarão por mais de 20 anos, apenas com revisões periódicas bem mais baratas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *